sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

Batatas com Alecrim ( a murro)

A verdadeira "batata a murro" é assada a partir de crú, o que leva bem uma horinha, pelo menos. Esta que vos apresento como receita final do ano 2007, é uma criação de minha mulher, Maria José, e tem como problema, que por mais que se façam, comem-se sempre até ao fim! :-)

Bom Ano de 2008!

Ingredientes:

Batatas pequenas
Azeite virgem
Alecrim fresco
Flor de sal
Sal

Preparação:

Coza as batatinhas (melhor se forem das de interior amarelo) , com casca, em água e sal.
Disponha as batatas num tabuleiro e regue-as com azeite virgem de modo a que todas fiquem oleadas. Deite sobre elas as folhas e flores de alecrim fresco, de modo a que algumas fiquem aderentes à batata. Por fim salpique com Flor de Sal e leve a forno médio durante 10-15 minutos.
Já na mesa, imediatamente antes de servir, dê um murro em cada batata e deite na polpa uma colherinha de azeite do que está no fundo do tabuleiro.
Comem-se com a pele, claro.

Puré de Batata Fôfo

Eu tenho duas filhas. Uma adora puré de batata, outra odeia.
Um dia em que só estava a que adora, já as batatas estavam cozidas e esmagadas, chega de surpresa "a que odeia". Desastre! E o jantar pronto.
O puré que se segue foi inventado na altura. O resultado é de uma delicadeza tal que passou a ser um acompanhamento comum. Aqui vai:

Ingredientes:

Batatas (das amarelas, para fritar)
Manteiga ou Azeite Virgem
Orégãos
Sal

Preparação:

Coza as batatas, com casca, em água e sal e tire-lhes a pele.
Esmague as batatas com um esmagador daqueles que apertam a batata e a fazem sair em fios, directamente para a tigela ou travessa em que vai ser servido o puré.
Com todo o cuidado, para não comprimir o monte de fios de batata, espalhe generosamente orégãos secos e cubra-os com fatias finas de manteiga ou regue com azeite, em fio para que se vá infiltrando na batata sem a comprimir. Se as batatas forem espremidas logo após a cozedura, o calor é nomalmente suficiente para fundir a manteiga. No entanto, se vir que é necessário, pode levar ao micro-ondas o tempo necessário para a manteiga desaparecer.
Sirva com cuidado para não esmagar os fios da batata.

terça-feira, 18 de Dezembro de 2007

Ovo Estrelado

Não há receitas simples. Tudo, se for levado à execução suprema, pode tornar-se uma obra de arte. Se treinarem muito, muito, talvez um dia possam perceber o que digo deste ...
Ovo Estrelado que dedico à Cristina, do blog Ovo Estrelado, que tem andado muito ausente, embora com uma bela razão.

Ingredientes:

1 ovo
3 colheres de sopa de azeite virgem
1 pitada de sal grosso (preferência Flor de Sal)
1 pitada de pimenta branca

Preparação:

Pôr o azeite ao lume (muito brando) numa frigideira pequena.
Antes do azeite estar quente, partir um ovo como se fosse para separar a clara da gema e deixar cair a clara no azeite. Guardar a gema dentro de metade da casca num pano amarrotado, para não tombar. Esperar que a clara esteja quase copletamente cozida, fazer uns golpes no centro com o bordo de uma colher e depositar sobre esses golpes a gema.
Levantar o lume e ir deitando colheres de azeite quente sobre a gema até ela "baixar" e colar à clara. Retirar do lume, temperar com o sal e pimenta sobre a gema.

Comer:

Este ovo estrelado come-se directamente da frigideira onde foi feito. Logo que sai do lume, molha-se um pedaçode pão no azeite quente, depois na gema, depois ainda um momento no azeite outra vez e ... boca!

Este ovo era feito de vez em quando, pela minha mãe, para pequeno-almoço, e se estivermos em jejum, tem um sabor único e irrepetível ao longo do dia!


sexta-feira, 14 de Dezembro de 2007

Biscoitos Fritos de Azeite (da Gina)

Biscoitos da Gina (Virgínia Gamito – Relvas Verdes, Santiago de Cacém)


Ingredientes:

1 Chávena de farinha, pode ser ou não auto-levedante
1 Ovo
1 colher de sopa bem cheia de açúcar
1 colher de sopa a transbordar de azeite virgem extra
Raspas de 1 limão grande ou 2 pequenos
1 pitada de sal fino
Azeite refinado para a fritura
Açucar e Canela

Preparação:

Misturam-se os seis primeiros ingredientes, de uma vez só, numa tigela e amassa-se até obter uma bola dura, amarelo esverdeado e que não deforma nem pega. Pode ser necessário ajustar a quantidade de farinha, se o ovo for grande ou a chávena pequena.
Embrulha num pano e deixa repousar 1 hora, fora do frigorífico. ( Não saltes este ponto; a esperas são aborrecidas mas neste caso é mesmo essencial)
Divide a massa em pedacinhos do tamanho de cerejas grandes, rola-as entre as mãos ou sobre a pedra de modo a obter rolinhos da grossura de um lápis e forma argolas.
Frita estas argolas em azeite refinado vulgar (não virgem), quente e abundante o suficiente para as argolas flutuarem sem tocar o fundo da frigideira. A fritura dos dois lados não demora mais de 30 segundos. Escorre sumariamente e ainda a queimar os dedos, passa por açucar.( Se esperares até estarem completamente enxutos, o açúcar não adere). Polvilha depois com canela.
Podem guardar-se numa caixa fechada durante muitas semanas.

Nota:
Se usar farinha autolevedante ou adicionar fermento em pó, os biscoitos crescem muito e ficam com uma consistência de bolo, fôfos e com a casca estalada. Se usar farinha sem fermento, ficam mais pequenos, com uma consistência interior mais húmida e com mais sabor a azeite e limão, mais "sabor à antiga". Em minha casa há quem prefira uns e outros ... mas ninguém os dispensa na mesa de Natal

quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007

Croquetes de Carne

As infames "massas esbranquiçadas" que polulam nas vitrines de cafés e charcutarias, fizeram do Croquete uma especialidade em vias de extinção.A receita que se segue é a dos velhos"croquetes de família", é deliciosa e fácil de fazer, mas é mesmo necessário ter um moínho de carne, tipo dos que os talhos usam. Os dispositivos rotativos, tipo varinha mágica ou 123, não servem. Mesmo!

Ingredientes:
0,5 Kg de carne de vaca para estufar, limpa.
0,5Kg de carne de porco ( ex: da Pá).
350 gr de chouriço sem pele.
100 gr de banha de porco ou margarina.
½ noz moscada ralada na altura (ou 1 colher sobremesa cheia da já moída).
1 colher de sopa de alho seco em pó.
1 colher de sopa de salsa picada fina.
150 gr de parmesão ralado (ou queijo seco que tenha em casa).
Sumo de 2 limões médios.
250 gr (+/ -) de pão ralado seco.
Sal e pimenta q.b.
Ovo batido e pão ralado q.b. para panar.
Óleo para fritar

Modo de Preparação:
Coza as carnes e o chouriço, durante 30 minutos, cortados em pedaços e cobertos de água com um pouco de sal. Escorra, reserve o caldo da cozedura e deixe amornar.
Passe as carnes por um moinho e reserve.
Num tacho derreta a banha e adicione, não deixando queimar, a noz moscada, o alho e, logo a seguir, o caldo da cozedura. Deixe levantar fervura e tempere de sal e pimenta.
Junte ao caldo a ferver as carnes picadas, mexendo bem. Se necessário junte leite até que a consistência seja bastante "molhada", mas não líquida, qualquer coisa como a consistência de puré de batata mole.
Volte a levar ao lume a ferver, junte o parmesão e a salsa, prove de novo e rectifique os temperos.
Junte então o pão ralado e mexa até conseguir uma consistência firme e moldável com toda a facilidade.
A quantidade de pão ralado a juntar à carne é proporcional à quantidade de líquido que a massa apresenta. Só está pronto quando a massa for bem difícil de mexer com a colher de pau e estiver bem seca, sem agarrar aos dedos.Retire do lume e junte o sumo de limão. Mexa. Deixe arrefecer.
Forme com a massa, bolinhas ou a tradicional de forma de croquete, passe por ovo batido e pão ralado e frite em óleo quente.

Para abrir...

Este é um blogue aberto a todos aqueles que quiserem contribuir com aquela sabedoria difusa mas também omnipresente nos pratos das nossas mães e avós, alguns dos quais estão (?) perdidos para sempre, mas outros resistem à invasão das receitas que nos invadem de todos os lados, pela TV, nos milhares de livros e revistas sobre o tema culinária, nos sites e blogues de culinárias inovadoras.

Mas ... o que nos acontece se queremos fazer um simples croquete de carne como os da nossa infância? Vão ao Google e experimentem "croquete". Viram? Mil receitas diferentes ou nenhuma é exactamente o mesmo!

Chega de conversa! Aqui só têm lugar as melhores receitas do mundo! Não de todos os mundos, só o daquele que já não volta, a não ser no sabor perdido de um ... croquete!